30 de setembro de 2006

Nossas sonhadas vitrolinhas portáteis



Finalmente quando nossas fitinhas cassetes se desenrolaram no ar e desmancharam-se em bits, cabendo-as, todas as fitinhas de uma vida, dentro dos bolsos de nossas calças jeans, podemos dizer que é um sonho de toda uma adolescência feito realidade? Acho que sim.

Lembro quando eu e meu amigo Túlio, em nossa fase oasismaníacos, passamos uma tarde inteira fazendo experimentos para gravar um show acústico emitiví, capturado em vídeo cassete, para um gravador de fitinha. Ah, quando enfim conseguimos ouvir o violãozinho de Noel Gallagher nos nossos WOWkmans! Foi tudo.

Hoje com os iutubes, emules, soucikes e o alargamento das bandas trafegáveis da internet, ficou tudo muito mais rápido. A vida hoje é muito mais portátil do que poucos anos atrás. A qualidade virou quantidade: escolha sua trilha sonora para hoje e seja feliz. Ou não. O contrário também pode.

Quase todo o repertório musical disponível foi implodido para dentro de nossos bolsos. Haja tímpanos para ouvir tudo a que se tem direito. E coitada da nostalgia... barateou-se!

4 comentários:

[dea] disse...

e hoje em dia já tem até iPobre! =*

Teka disse...

Grande, Mari! A nostalgia é eterna! Pode vir do nosso MP3 player ou do bom e velho cassete. O problema hoje em dia é achar um jeito de ouvir o cassete, pois se você não tem um aparelho portatil que toque, para achar ... vai ser difícil...Beijos saudosos!

renata zettler disse...

uhm, mas o barateamento é bom...
e´a democratização da nostalgia.
=P
vou passar mais vezes por aqui pra tomar um chá. bjos.

Túlio disse...

nossa, eu lembro disso! foi uma alegria imensa poder transportar aquele acustico da mtv pra uma fita k7. é a velha história, só valorizamos aquilo que é difícil.