6 de novembro de 2011

Cartas na rua



Se destravarmos nosso navegador do automático, é fácil perceber como a cidade fala. E como fala! E tem dias que ela grita tanto que é melhor voltar pro modo anestésico: fones nos ouvidos, celular com pacote de dados na mão, olhos ausentes, outras leituras de papel.

Hoje, domingo, quem passeou pela Av. Paulista ali perto do Parque Mário Covas, teve chance de escutar uma voz não muito comum. Um homem/pensador/poeta/escritor espalhou dezenas de cartazes pelo chão com seus textos, escritos em letras de fôrma com um canetão azul. Era o seu tuíter de avenida, seu mural de Facebook deitado ali no chão, um blog a céu aberto, cartas na rua.

Seu nome, Samuel Salles. Muito simpático e falante, me deixou tirar fotos de alguns dos textos "tirar foto? dos textos? mas vai dar pra ler quando você revelar? ah, então pode!".

Pronto, seu Samuel. Aqui estão as revelações. A fotógrafa não era muito boa, mas o que importa é que "deu pra ler". Ainda bem.











Um comentário:

Eclesia disse...

que demais isso. isso é sobre pensar!
gostei. queria ter coragem pra isso. quem sabe um dia...

evandro