18 de novembro de 2011

Mais do mesmo



Todo dia percorremos a mesma distância, espiralando como a bailarina na caixinha de música, o mesmo movimento espalhado sobre a mesma medida de tempo, a mesma trajetória, as mesmas revoluções, nessa sempre mesma coreografia.

Todo dia nascemos com o sol e morremos com ele -- ou horas depois dele, mas esse é mais ou menos o ritmo. Morremos por alguns momentos no breu da noite ou na penumbra da madrugada para voltarmos à verticalidade sob os raios solares.

Todo dia o céu é manchado de cores. Todo dia. Todo dia é mais do mesmo. E as cores dos pores-do-sol, de todos os pores do sempre mesmo sol, de todos os dias, me mostram que o mesmo é, na verdade, sempre mais.



*fim de tarde que capturei na saída do trabalho, dia 17/11/11, pensando na amiga Gabi que tem essa incrível coleção de coisas impalpáveis e sempre inéditas que são os pores-do-sol.

3 comentários:

Gabi disse...

que coisa incrível!!! AMEI receber esse presente, saber que você pensou em mim vendo uma coisa tão maravilhosa! é o que eu falo, não dá pra cansar porque é sempre inédito, assim tem que ser os nossos dias, sempre! não podemos cair no piloto automático!! "me mostram que o mesmo é, na verdade, sempre mais." que lindo isso! obrigada por ter entrado na minha vida com a mesma intensidade de um raio de sol!!!! beijos!!

ThiGimenes disse...

Mari! Estou pra tirar a poeira do http://emcimadoteto.tumblr.com posso "roubar" essafoto pra lá?

Beijo!

Mari Eller disse...

Thi, roubo autorizadíssimo! vou linkar vocês aqui na boa vizinhança do Hora do Chá!